12 de junho de 2016
Pesquisadores defendem Olimpíada mesmo com vírus da zika
O artigo das duas fundações brasileiras foi publicado na última sexta-feira (3) De acordo com o documento, há baixa incidência de risco no mês de agosto, quando ocorrerá a Olimpíada.
Pesquisadores defendem Olimpíada mesmo com vírus da zika MidiaGEO

Cientistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Fundação Getúlio Vargas (FGV) publicaram um artigo que defende a realização da Olimpíada e da Paraolimpíada no Rio de Janeiro. A manifestação ocorre após pedido de mais 150 pesquisadores de 28 países pedirem à Organização Mundial da Saúde (OMS) que o adiamento ou transferência dos Jogos no Brasil – para eles, o vírus da zika no Brasil pode pôr em risco a saúde global.

O artigo das duas fundações brasileiras foi publicado na última sexta-feira (3) e esclarece que, ao analisar os riscos de infecção de turistas durante o evento, é preciso considerar diversos fatores como a sazonalidade das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes. De acordo com o documento, há baixa incidência no mês de agosto, quando ocorrerá a Olimpíada.

No Rio de Janeiro, por exemplo, são registrados de um a sete casos das doenças causadas pelo mosquito para cada 100 mil habitantes neste período. Para avaliar o risco transmissão do vírus da zika durante a Olimpíada, os cientistas consideraram o histórico de dengue desde 2010. Eles acreditam que o mesmo comportamento deve ocorrer com o vírus da zika, já que o mesmo mosquito é vetor de ambas as doenças.

O documento também ressalta que as gestantes devem evitar viajar para regiões de transmissão da zika, como foi recomendado pela OMS. A organização, inclusive, já divulgou quais medidas de proteção devem ser adotadas, como o uso de repelentes e preservativo. Nesta terça-feira (7), no entanto, comitê de emergência para o vírus da zika da OMS disse que vai realizar uma reunião na próxima semana para rever suas recomendações sobre a doença, inclusive com relação aos Jogos.

Carta pelo adiamento – Entre os especialistas que assinam a carta aberta pelo adiamento ou transferência da Olimpíada no Rio também estão médicos da Fiocruz, além de profissionais das universidades mais renomadas dos Estados Unidos, como Harvard e Colúmbia.

A OMS declarou que cancelar ou adiar os Jogos Olímpicos não vai alterar a disseminação internacional do vírus. O Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos também afirmou que não vê razão para mudanças.

O Comitê Rio 2016 declarou que tem certeza de que os jogos serão realizados na data estabelecida, com absoluta segurança. A prefeitura do Rio disse que o vírus da zika é uma preocupação mundial, e que vai intensificar as inspeções para eliminar os focos do mosquito transmissor do vírus.

Leia mais sobre